Federação Catarinense de Handebol















 










 


Fechar [ X ]
Aguarde...

 
COPA SANTA CATARINA 2018 SERÁ REALIZADA NO PERÍODO DE 05 a 08 DE JULHO.
Nº Visitantes: 2082177
Contatos  
 

LINKS ÚTEIS

Escola Nacional de Esportes
CBHb
IHF
Fesporte
CED/SC
TJD/SC
Mapa de Distâncias/SC
Confira o Tempo - INMET
 
 

RECADOS

 
Claudia da Cruz
Itajaí - SC
07/06/2018 09:43:46
Olá, eu gostaria de saber se tem alguma peneira de handebol em Santa Catarina,sempre joguei e quero voltar a jogar. Me avisem qualquer coisa. Obrigada!...


 
 
 

NOTICIAS

Pais e filhas dividem a paixão pelo handebol dentro de quadra na Liga Nacional Feminina


Data / Hora:  18/11/2013 21:45:54
Fonte:  FCHb
Cabo Frio (RJ) - Não é de hoje que muitos pais se esforçam para que os filhos sigam as profissões exercidas por eles. No caso de Alexandre Schneider e Sérgio Graciano, essa influência surgiu naturalmente e, hoje, os dois têm o prazer de treinar suas próprias filhas, que disputam pela primeira vez as semifinais da Liga Nacional Feminina de Handebol. Tauani Martins Schneider e Marcela Ehalt Graciano vêm de famílias que vivem o esporte e, desde muito jovens, praticam a modalidade que é a paixão dos pais. O técnico do Supergasbras/UNC/Concórdia (SC), Alexandre Schneider, acredita que o fato da filha, Tauani Martins Schneider, armadora esquerda de 18 anos, estar no handebol, deve-se, de certa forma, a influência paterna. "A minha vivência com a modalidade pode ter influenciado a Tauani, mas nunca a forcei, tudo foi acontecendo naturalmente. Ela começou a carreira no Concórdia, nas categorias de base, e há três anos está no adulto comigo. O que eu quero é fazer com que ela evolua, cresça no handebol e conquiste seus objetivos. Ela sonha em jogar na Europa, por isso, quero que ela amadureça", contou. Schneider afirma que, apesar de difícil, eles conseguem separar bem o lado pai do técnico. "Com certeza, a cobrança é ainda maior por ela ser minha filha e é um pouco difícil separar, mas fazemos isso bem. Cobro muito dela, mas porque sei do potencial que tem. Para mim, é uma felicidade enorme que ela esteja no handebol e na mesma equipe que eu. As outras atletas brincam muito com isso, mas elas levam muito bem e não há privilégios por ela ser minha filha", completou ele, que é técnico de handebol desde 1988, antes mesmo do nascimento de Tauani. Schneider está à frente do Concórdia desde o início do projeto, em 2005. Tauani, que sempre brincou de handebol em casa com o pai, diz que nunca houve uma pressão para que ela iniciasse no esporte. "Ele nunca me forçou a nada. Agora, a cobrança da parte dele é maior do que com as outras meninas, mas ele me aconselha muito e me dá dicas, tanto em casa quanto na quadra. No começo eu estranhava, mas agora é mais fácil, porque consigo separar bem e saber que ele está exercendo a função de técnico", destacou. A atleta não perdeu a chance de elogiar o pai e técnico, que o definiu como um dos melhores treinadores do Brasil. "É muito bom trabalhar ao lado do meu pai, pois tenho muita confiança no trabalho dele e sei que tudo o que ele diz será melhor para mim. Ele me passa muita confiança, me dá conselhos de técnico e de pai. Quando fui para o Mundial Juvenil, no ano passado, ele acompanhava tudo e me enviava e-mails, me dizendo os meus pontos positivos e negativos na partida. Isso me ajudou muito, tanto no meu desempenho dentro de quadra quanto emocionalmente. Um exemplo de como gosto de estar ao lado dele foi quando prestei vestibular, que fiz em Blumenau, porque o curso que eu queria, engenharia química, só tinha lá. Mesmo podendo ir, preferi fazer outro curso, que é engenharia de alimentos, e continuar treinando com meu pai", ressaltou. Assim como Tauani, a vivência com o universo do handebol começou cedo para Marcela Ehalt Graciano, de 20 anos, central do Blumenau/FURB (SC). A filha de Sérgio Graciano acompanha o pai desde os dois anos, quando ele a levava para as quadra para assistir aos treinamentos. A atleta, que já praticou também ginástica artística e basquete, optou em seguir somente com o handebol aos 14 anos, mas desde os nove, treina ao lado de Graciano. "Sempre vivi o handebol e sempre gostei, por isso optei por ele. Eu e meu pai conseguimos separar bem as coisas. A minha família vive a modalidade, minha vida é o handebol, inclusive, meu namorado também joga.", contou, referindo-se a Rudolph Hackbarth, que integra a Seleção Masculina Júnior de Handebol. Graciano se mostra bastante feliz com a opção da filha pelo handebol e conta que, quando criança, as brincadeiras dela sempre envolveram bola. "A boneca nunca fez parte da vida da minha filha", brincou. "Às vezes, tenho que dar uma segurada nela, por ela ter personalidade forte, mas nos damos muito bem, em casa e na quadra. É claro que a cobrança é maior, até porque tenho que cumprir meu papel de pai. Ela treina comigo há 11 anos, já passamos por muitas coisas juntos e ela lida muito bem com isso. Ela é bastante responsável, o que é uma das coisas boas que o esporte trás", contou ele, que também é pai de Gabriel Ehalt Graciano, de 15 anos, que já foi um dos selecionados para o Acampamento Nacional de Desenvolvimento e Melhoria Técnica, organizado pela Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), com o apoio do Ministério do Esporte. As duas jovens atletas disputam pela primeira vez uma edição da Liga Nacional e, de quebra, já chegaram à semifinal. A equipe de Tauani, o Supergasbras/UNC/Concórdia (SC) enfrenta o Santo André (SP), às 19h. Na sequência, às 21h, será a vez da Metodista/São Bernardo (SP) duelar contra o time de Marcela, o Blumenau/FURB (SC). Na terça-feira (19), as equipes voltam a se enfrentar, às 20h e 22h. A grande final será na quinta-feira (21), às 19h. Os ingressos estão sendo trocados no ginásio da competição, por um quilo de alimento não perecível, e segue até às 19h. Tabela Segunda-feira (18) 19h: Supergasbras/UNC/Concórdia (SC) x Santo André (SP) 21h: Metodista/São Bernardo (SP) x Blumenau/FURB (SC) Terça-feira (19) 20h: Supergasbras/UNC/Concórdia (SC) x Santo André (SP) 22h: Metodista/São Bernardo (SP) x Blumenau/FURB (SC) Quinta-feira (21) 19h: Final Serviço Fase final da Liga Nacional Feminina de Handebol Data: 18, 19 e 21 de novembro Local: Ginásio Poliesportivo Alfredo Barreto, localizado na Avenida Henrique Terra, S/N, Bairro Portinho, Cabo Frio (RJ) Os Correios e o Banco do Brasil são os patrocinadores oficiais do Handebol do Brasil. A ASICS é a marca oficial de material esportivo e a Penalty a fornecedora de bolas.
 
OUTRAS NOTÍCIAS
 

PARCEIROS

MASCOTINHA
361
 
 

NEWS LETTER

 
Cadastre-se e receba nossas notícias semanalmente em seu email.
Nome:
Email:
 
 
 
 
  [indique-nos] [comunicar erros]  
FEDERAÇÃO CATARINENSE DE HANDEBOL - FCHb
Rua: Julio Boppré, 2326
Tubarão/SC - Oficinas - 88.702-360
E-mail: fchb@fchb.com.br - Novo Telefone: (48)9624.1068
Desenvolvimento de Sites